Dia Nacional do Café – Conheça destinos nacionais para apreciar de perto o fascínio mundial pelo grão.

Nesta terça-feira, 24 de maio, é celebrado o Dia Nacional do Café, a segunda bebida mais consumida no mundo. Os sabores e os aromas inebriantes deste elixir só perdem para a água em relação à quantidade na qual é ingerido pela população do planeta.

Há quem diga que a verdadeira paixão do brasileiro é o cafezinho. A produção e o consumo da bebida no país têm origem ainda no século XVIII. As primeiras mudas do grão em solo nacional foram plantadas na então província do Pará, na década de 1720.

O responsável pela introdução e o cultivo do produto no território foi o militar português Francisco de Melo Palheta. Após viagem para Guiana Francesa, o luso teria trazido o café mais para dentro da América do Sul vindo do Suriname.

Após iniciar em Belém, os cultivos se espalharam rapidamente por outros estados. A princípio as produções eram focadas apenas no consumo doméstico, mas a partir de 1837, o café tornou-se o principal produto de exportação do Brasil colônia.

As primeiras grandes lavouras para o plantio surgiram na Baixada Fluminense e no Vale do rio Paraíba, nas províncias do Rio de Janeiro e de São Paulo. Atualmente, as principais regiões cafeeiras do país são Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

Conheça três destinos nacionais para conhecer no Dia do Café e apreciar de perto o fascínio mundial pelo grão.

1. Minas Gerais

Um dos maiores produtores de café do Brasil, Minas Gerais é um lugar onde não se dispensa um cafezinho. O local possui um roteiro único, intitulado Rota do Café Especial, para apreciar desde fazendas produtoras até experiências sensoriais com o produto.

No Sul de Minas, São Lourenço é um dos pontos de parada mais buscados pelos turistas. As atrações na cidade incluem visita até a centenária Fazenda Sertão. O lugar produz alguns dos melhores cafés especiais de todo o estado, que inclui o tipo que bateu o recorde de pontuação no disputado Prêmio “Cup of Excellence“.

As regiões de Uberlândia e Araxá são representantes da produção cafeeira no Cerrado Mineiro. Já a Zona da Mata do estado possui mais de 64 municípios ligados ao café.

Outra opção na zona da mata mineira é o ponto do Alto Caparaó. O local próximo ao Pico da Bandeira é internacionalmente conhecido como a terra que produz o melhor café brasileiro.

Mais uma dica turística é visitar a capital do estado, Belo Horizonte. O viajante encontra um ambiente repleto de opções para realizar a degustação de grãos de todos os tipos. Dentre os lugares que mais se destacam estão os especialistas Academia do Café e o Intelligenza BH.

2. Paraná

Conhecida como a “capital do café no Brasil”, a cidade de Londrina, no Paraná, é um destino para os apaixonados pela bebida. O local concentrou uma das maiores produções do grão no mundo até o ano de 1975.

O município paranaense preservou os aspectos históricos do cultivo do café e elaborou um passeio turístico que abrange pelo menos sete cidades localizadas ao norte do estado. A bebida especial na região é intensa e naturalmente adocicada.

As fazendas encantam os visitantes com variedade de produtos da gastronomia familiar. Algumas das principais propriedades são: Fazenda da Palmeira, em Santa Mariana, e a Vinícola Casa Muller, em Londrina. Outras cidades que compõem a Rota Especial do Café são Cambé, Rolândia, São Jerônimo da Serra, Ribeirão Claro, Tamarana e Ibiporã.

Além disso, é possível conhecer mais sobre a produção durante o período colonial no Museu Histórico de Londrina. São mais de 40 mil peças que contam a história desse momento marcante para o desenvolvimento do Brasil. O espaço também traz a curiosa ligação da localidade paranaense com a cidade de Londres, na Inglaterra, e como elas se uniram por causa do café.

3. São Paulo

Em São Paulo, o café foi responsável pela introdução da ferrovia, construída para transportar o produto brasileiro destinado à exportação. O território conta com fazendas e atrações de lazer para o turista por meio da Rota do Café no estado.

Na cidade litorânea de Santos está o Museu do Café, que propicia aos visitantes uma aventura cafeeira pelas exposições permanentes e temporárias, obras de arte e mobiliário de época. De terça a domingo, os viajantes podem apreciar a história do café e ainda degustar os melhores grãos da bebida, até mesmo o mais caro e raro do país.

Outro destino aos apreciadores da bebida é a Fazenda Vila Rica, em Itatiba, a 90 quilômetros de São Paulo. Com arquitetura colonial portuguesa, o local construído no século XIX oferece estrutura com hotel e restaurante, além de organizar passeios pela produção.

Já a Fazenda Mandaguahy, em Jaú, pode trazer uma verdadeira imersão cafeeira. O lugar produz uma variedade de produtos artesanais como queijos, biscoitos, geleias e café.

(Reprodução/fonte: Conexão 123)

Home

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIÁRIO DE BORDO NO JP

Vanessa Serra é jornalista.
Bacharel em Comunicação Social- Jornalismo com pós-graduação em Jornalismo Cultural na UFMA.

Criadora de conteúdo, roteirista, DJ, colecionadora de discos, produtora artística e fonográfica. Ludovicense, filha de rosarienses. Morou na Cohab, Fé em Deus, Liberdade em São Luís, passou três anos em Codó, e voltou para a capital residindo na Rua Basson (Apeadouro – Bairro de Fátima) e Cohatrac IV. Foi aluna do Colégio Batista.

Gosta de cozinhar. Sempre foi (e pretende continuar sendo) apreciadora da culinária a base de frutos do mar, dos modos e costumes nordestinos; brincante da Cultura Popular e uma assídua frequentadora das mais diversas regiões da Ilha de São Luís e do Maranhão. É autora dos projetos de difusão musical “Vinil & Poesia” e “Alvorada – Paisagens e Memórias Sonoras”.

PIX DIÁRIO DE BORDO SLZ
Publicidade

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivos