Com apoio do Sebrae, UFMA inicia nova etapa do mapeamento de grupos de bumba meu boi na Grande São Luís

A coordenadora do projeto Letícia Cardoso, entre outros pesquisadores da UFMA, em visita à sede do Boi Brilho da Ilha.

O trabalho de mapeamento dos grupos de bumba-meu-boi da Grande Ilha – Caminhos da Boiada –, que vem sendo realizado pela UFMA há um ano, por meio do Grupo de Estudos Culturais do Maranhão – GECULT, ganha a adesão do projeto de Economia Criativa do Sebrae em sua segunda etapa. 

Após a conclusão dos primeiros dados do mapeamento, que já contempla dados de quase 90 grupos de bumba meu boi, em seis sotaques, o projeto em sua nova fase agrega a continuidade da coleta de dados visando a identificação de todos os grupos localizados nos municípios de São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa e outros que, mesmo originários de outros municípios maranhenses, tem sedes na capital.

A participação do Sebrae contempla também a geração de conteúdo para o ambiente digital, documentação em áudio visual, construção de site e de um aplicativo que vão tornar bem mais ágil o acesso às informações coletadas. Outra vertente será a articulação com as ações de Turismo Criativo, tomando as informações como base para criação de roteiros de turismo de experiência e de base comunitária.

“Com essa parceria, vamos fortalecer as práticas culturais de empreendedores criativos pertencentes a esses grupos, valorizando um trabalho que é desenvolvido durante o ano inteiro pelos grupos de bois e, ao mesmo tempo planejar para a qualificação e preparação desses criativos para captar recursos e empreender com sustentabilidade”, explica a coordenadora de Produtividade e Tecnologia na Inovação do Sebrae, Danielle Abreu. 

Mapeamento mostra vigor do bumba-meu-boi

Há um ano, o projeto Caminhos da Boiada trabalha na perspectiva de identificar quem são e onde estão instalados grupos da brincadeira na Grande Ilha. Os dados levantados mostram a existência de cerca de 90 grupos em atuação no território. A previsão é que os dados já coletados estejam disponíveis em ambiente digital até o mês de julho. 

O trabalho é fruto do Grupo de Estudos Culturais do Maranhão – GECULT, da UFMA, associado ao programa de pós-graduação em Comunicação da instituição, o PPGCOM. Coordenado pela pesquisadora Letícia Cardoso, do PPGCOM de Imperatriz e docente do departamento de Comunicação da UFMA, o grupo conta ainda com pesquisadores colaboradores das áreas de Turismo (prof. David Bouças) e Informática (prof. Francisco Silva), além de alunos de mestrado nos três campos de conhecimento, em um total de 11 pessoas. 

A ideia do mapeamento surgiu da constatação da ausência de dados atualizados sobre os grupos como base para projetos de pesquisa e formulação de políticas para o setor cultural. E também das necessidades dos grupos no que se refere à preparação para empreender e captar recursos. 

“Em nossas pesquisas, de forma recorrente, precisávamos de contatos e informações sobre os grupos e não tínhamos onde encontrar. Isso gerou inquietação, até decidirmos construir o mapeamento, incluindo dados como endereço, localização georreferenciada, nomes dos líderes, telefones, sotaques, redes sociais dos grupos”, explica a professora Letícia Cardoso. Esses dados, completa ela, “servirão para a formulação de ações de apoio aos grupos ao longo do ano e também para perpetuar e difundir essa importante expressão do patrimônio imaterial brasileiro, que é o bumba meu boi”. 

 

 

 

(Da redação com informações da Assessoria)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIÁRIO DE BORDO NO JP

Vanessa Serra é jornalista. Ludovicense, filha de rosarienses.

Bacharel em Comunicação Social – habilitação Jornalismo, UFMA; com pós-graduação em Jornalismo Cultural, UFMA.

Atua como colunista cultural, assessora de comunicação, produtora e DJ. Participa da cena cultural do Estado desde meados dos anos 90.

Publica o Diário de Bordo, todas as quintas-feiras, na página 03, JP Turismo – Jornal Pequeno.

É criadora do “Vinil & Poesia” que envolve a realização de feira, saraus e produção fonográfica, tendo lançado a coletânea maranhense em LP Vinil e Poesia – Volume 01, disponível nas plataformas digitais. Projeto original e inovador, vencedor do Prêmio Papete 2020.

Durante a pandemia, criou também o “Alvorada – Paisagens e Memórias Sonoras”, inspirado nas tradições dos folguedos populares e lembranças musicais afetivas. O programa em set 100% vinil, apresentado ao ar livre, acontece nas manhãs de domingo, com transmissões ao vivo pelas redes sociais e Rádio Timbira.

PIX DIÁRIO DE BORDO SLZ
Publicidade

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivos