Boi da Floresta – Próximo domingo tem almoço colaborativo aos 51 anos da brincadeira.

(Foto: Reprodução/Alexandre Couto)

No próximo domingo, 12, o quilombo urbano da Liberdade, na comunidade da Floresta, estará em festa com a celebração dos 51 anos de fundação do Bumba-meu-boi de Apolônio Melônio (Boi da Floresta), sotaque da baixada. Haverá almoço colaborativo, na sede da agremiação situada na Rua Tomé de Sousa, 101 – Liberdade, a partir de 13h, regado, é claro, a muitas toadas de bumba-meu-boi na cadência dos pandeirões e roda de tambor de crioula. 

Atualmente, o grupo, com mais 120 componentes, é presidido pela turismóloga Nadir Olga Cruz, brincante e ativista cultural, viúva do Mestre Apolônio. Foi fundado em março de 1972, originário de São João Batista, município da região da Baixada Maranhense.

Além de obedecer o ritual de batismo – auto e matança de acordo com a tradição dos devotos de São João, o grupo realiza em seu calendário anual várias atividades de formação e manutenção do fazer cultural, direcionadas para crianças e adolescentes; entre as quais, oficinas de aprendizagem de bordado, confecção de ‘caretas’ de cazumbá (um de seus personagens mais marcantes), chapéus, de fita e de pena, e instrumentos de percussão.

Entre outras viagens e apresentações, participou do 58º Festival de Folclore de Olímpia – SP. E  no ano passado, o Boi da Floresta foi um dos convidados especiais na 20ª edição da Feira do Livro Internacional de Paraty – RJ, realizada em homenagem à escritora maranhense Maria Firmina dos Reis.

https://www.instagram.com/p/ClYxs1Guzhq/

(Da redação, por Vanessa Serra)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DIÁRIO DE BORDO NO JP

Vanessa Serra é jornalista.
Bacharel em Comunicação Social- Jornalismo com pós-graduação em Jornalismo Cultural na UFMA.

Criadora de conteúdo, roteirista, DJ, colecionadora de discos, produtora artística e fonográfica. Ludovicense, filha de rosarienses. Morou na Cohab, Fé em Deus, Liberdade em São Luís, passou três anos em Codó, e voltou para a capital residindo na Rua Basson (Apeadouro – Bairro de Fátima) e Cohatrac IV. Foi aluna do Colégio Batista.

Gosta de cozinhar. Sempre foi (e pretende continuar sendo) apreciadora da culinária a base de frutos do mar, dos modos e costumes nordestinos; brincante da Cultura Popular e uma assídua frequentadora das mais diversas regiões da Ilha de São Luís e do Maranhão. É autora dos projetos de difusão musical “Vinil & Poesia” e “Alvorada – Paisagens e Memórias Sonoras”.

PIX DIÁRIO DE BORDO SLZ
Publicidade

Publicidade
Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Arquivos